segunda-feira, 4 de maio de 2009

O mundo não vai acabar



Está vendo esta imagem aí em cima?
Se você leu rápido, deve estar imaginando que se trata de mais uma notícia sobre o grande desastre que bate à porta da humanidade: a gripe suína.

Nada disso. É uma manchete do UOL em outubro de 2005, chamando a atenção para o fato de que a "pandemia de gripe aviária deve chegar ao Brasil" (É isso mesmo; a outra, a aviária). O "especialista" entrevistado na ocasião dizia: "não tem jeito de não chegar. Em 1918, quando houve a gripe espanhola, o vírus influenza dava a volta ao mundo em cerca de quatro meses, devido aos meios de transporte da época. Hoje, isso acontece em 4 dias".

Hilário. Você se lembra da gripe aviária? Pois é, escafedeu-se, sem chegar ao Brasil.
O "especialista" se esqueceu de dizer que, também diferentemente de 1918, os sistemas de vigilância sanitária e de tratamento contra gripes evoluíram.

Volto à "catástrofe" de 2005, para lembrar que a mistura de uma imprensa sensacionalista com um bando de "especialistas" à procura de notoriedade é o que há de mais perverso em termos de comunicação nos nossos dias.

Não comece a fazer estoques de comida e máscaras na sua casa.
Não se recuse a receber visitantes mexicanos na sua cidade.
Não deixe de comer carne de porco.
Não assombre seus filhos assistindo ao Jornal Nacional, recheado de mapas da pandemia e correspondentes espalhados pelos quatro cantos, mostrando o mundo em estado de alerta.

Jornalistas gostam de tornar os fatos mais, diria, charmosos.
Isso faz parte da cadeia de valor do jornalismo moderno.

Não se preocupe. Em breve, descobrirão outro tema para as manchetes.
Quem sabe, voltem a falar da febre da vaca louca.

5 comentários:

Qualquer Um disse...

Caro Jornalista-Infectado,


Conhece a frase? "Viva cada dia como se fosse o último, um dia você acerta."

É o mesmo príncípio. Todo infectologista espera o dia de uma nova gripe espanhola aparecerá, matará, desta vez, 100 milhoes (ao invez dos 50milhoes). É expectativa matemática do fim.

Nossa sorte é que a natureza contradiz as estatísticas e a vida insiste em vencer a morte. Pelo menos, por hora.

Paradoxalmente, aposto com você (uma garrafa de vinho X uma de cachaça) que o dia em q uma nova "praga" realmente nos visitar novamente, nao estaremos preparados. E todas as nossas paranoias de final do mundo não terão nos servido de nada.

Um ab
Edu


PS- A aposta só é válida para o caso de eu sobreviver :-)

Sandra Leite disse...

"Jornalistas gostam de tornar os fatos mais, diria, charmosos.
Isso faz parte da cadeia de valor do jornalismo moderno"

Ronaldo, na realidade jornalistas são charmosos, independente do que escrevem:P

Jasão disse...

esse fatalismo me mata de rir, mas acho que pouca gente entendeu a ironia do meu post...

"Nada é sagrado. A natureza não tem compaixão.

E a civilização segue, sendo construída por acidentes, ilusão e mistério."

Sandra Leite disse...

publiquei o meme. fui injusta:(

Danilo disse...

Fico com pena do Chivas que vai ter que jogar contra o São Paulo fora do México.